O ritmo do salto duplo

Em outras palavras, o “feedback” da corda torna mais fácil para um saltador iniciante ou intermediário controlar a velocidade da corda, melhorar o timing e a coordenação, e ainda sentir diferenças na técnica ao tentar melhorar a mecânica do salto com corda.

Todo atleta que está entrando num box pela primeira vez logo percebe que o desempenho no CrossFit é medido por fazer mais exercícios em menos tempo. A despeito de como o desempenho é medido, o objetivo é sempre fazer mais e mais rápido. Nos outros esportes esse tipo de avaliação é diametralmente oposta, como, por exemplo, no levantamento de peso, que mede o progresso pela habilidade de colocar mais peso na barra e fazer levantamentos bem sucedidos. No que se refere a pular corda, o oposto é verdadeiro também. À medida que os atletas se tornam mais eficientes pulando corda, eles passam naturalmente para cordas mais leves e mais rápidas.

Mas isto significa que os atletas com um bom desempenho em pular corda devem abandonar as cordas pesadas para sempre? De jeito nenhum. Nem os praticantes de CrossFit. Há duas maneiras de treinar com corda pesada e ganhar um melhor condicionamento e o domínio dos saltos duplos de corda.

O OBJETIVO É O CONDICIONAR

Duplo-Under

Pular corda é um exercício cardiovascular que aciona os principais grupos musculares de uma maneira rítmica e contínua, ao mesmo tempo em que consome ao máximo a energia necessária ao sistema aeróbico durante um período relativamente extenso de tempo. O problema é que é difícil aumentar a intensidade das atividades aeróbicas para conseguir melhorar o desempenho. Certamente, você pode aumentar a velocidade do movimento, o grau de inclinação da corrida ou pedalada ou mesmo deixar o remo mais pesado, mas esses métodos têm seus limites (a biomecânica e a técnica frequentemente mudam) e nem sempre são possíveis.

Comece a treinar com a corda pesada. O uso de uma série de cordas pesadas permite ao atleta adaptar seus exercícios de condicionamento aeróbico sem provocar alterações em sua biomecânica (tal como altura do salto, etc.). Treinar com várias cordas com peso pode adicionar diversas intensidades a uma sessão de treinamento aeróbico que levará a melhorias na resistência cardiovascular.

Os benefícios cardiovasculares de treinar com a corda pesada também são evidentes quando um atleta está lutando com o salto duplo de corda. “É uma coisa executar saltos duplos de corda quando você está descansado, mas quando está completamente exausto no meio de um WOD, é um verdadeiro desafio”, diz Dave Hunt, presidente do CrossRope (crossrope.com), que produz uma linha completa de cordas de pular que podem ser personalizadas. “Um treino com salto duplo de corda pesada aumentará sua capacidade do core e sua habilidade para matar os saltos duplos de corda mesmo quando estiver cansado”.

É PRECISO “SENTIR” O RITMO

Quando você “entender” os saltos duplos de corda, vai dominar a técnica – todo praticante de CrossFit tem um momento “Ahh, entendi” ao aprender este exercício que às vezes pode ser bastante frustrante. Embora todo mundo que pratique CrossFit faça saltos duplos de corda diga a mesma coisa, você tem que “sentir” o ritmo do salto duplo. Mas para isso é preciso sentir a corda.

As cordas leves são ótimas para quem já domina o salto duplo de corda, mas não são recomendadas para iniciantes. A razão é simples: Cordas pesadas fornecem “feedback”. Ou seja: a força centrífuga proveniente da altura da corda permite ao atleta sentir onde a corda está em relação ao seu corpo no ciclo do salto.

“Não apenas o treinamento com corda pesada melhora o timing e a coordenação, como também facilita a aprendizagem da mecânica rotacional adequada”, aponta Hunt. “Isto acontece porque os saltadores podem controlar a velocidade da corda ao mesmo tempo em que sentem como gerar a rotação a partir do punho ao invés do cotovelo ou do ombro. A técnica correta de rotação do punho é essencial para um salto duplo de corda eficiente e consistente”.

Quer melhorar seu Double Under? Veja algumas dicas:

Não pule etapas! Para realizar o double under é preciso ter domínio do single under.

Não use cordas tão curtas e nem tão longas, o tamanho da corda influencia diretamente no desempenho do seu double under. Cordas longas fazem com que o percurso de giro seja maior, exigindo mais dos punhos e um salto mais alto. Cordas curtas tornam o movimento mais rápido e mais complexo, já que a corda estará sempre próxima do corpo.

Mantenha os braços na posição correta, a posição dos braços é um dos maiores segredos do double under. É importante estar com os cotovelos próximos do corpo, punhos baixos e um pouco à frente dos cotovelos. Com os braços distantes do corpo ou com os punhos altos demais, a distância entre a corda e o chão diminui, podendo provocar o contato com os pés e interromper uma sequência de movimentos.

Mais punhos, menos braços, é comum que os braços cansem durante uma sequência de double under e isso pode acontecer por diversos motivos. Na maioria das vezes, o braço está contraído demais ou girando com o punho durante o exercício, saindo de perto do corpo. As cordas específicas para double under possuem rolamentos que facilitam a rotação, possibilitando que o movimento seja feito apenas com os punhos.

Inclinar o corpo ou flexionar os joelhos não ajuda, alguns erros também são frequentes após uma sequência muito longa e cansativa de double under. Flexionar os joelhos não faz com que a corda passe mais fácil por baixo do atleta, assim como inclinar o corpo à frente não faz com que o giro seja mais rápido. Encontre o seu padrão de movimento (altura do salto, posicionamento dos braços e velocidade de punho) para alcançar uma sequência longa da maneira mais confortável ou menos desconfortável possível.

 

via myboxmag e ativo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *